"O Governo começa mal neste novo ano escolar", sublinhou Mário Nogueira na conferência de imprensa realizada pela FENPROF após a reunião de dois dias do seu Secretariado Nacional (4 e 5 de Setembro), realizada em Coimbra.

O secretário-geral da FENPROF condenou energicamente as recentes declarações do Primeiro Ministro sobre o desemprego docente. "A grande maioria dos 40 mil professores que estão hoje no desemprego faz realmente falta ao sistema educativo", garantiu o dirigente sindical. "Sobram professores porque o Governo tomou medidas para que sobrassem... Há uma política deliberada para cortar no trabalho docente, como as escolas bem sabem", observou Mário Nogueira.

O secretário-geral estava acompanhado, na Mesa deste encontro com a comunicação social, por outros dirigentes da FENPROF: António Avelãs (SPGL), Manuela Mendonça (SPN), Anabela Sotaia (SPRC), Rui Sousa (SPZS), Marília Azevedo (SPM) e Armando Dutra (SPRA).

Mário Nogueira destacou que o investimento do Governo na Educação "é insuficiente", chamou a atenção para "o foguetório" que já está aí à volta de medidas pontuais lançadas pelo Governo e apontou as principais iniciativas que a FENPROF dinamizará nas próximas semanas, com o envolvimento dos educadores e professores de todo o País. Já de seguida, aqui fica uma síntese desse calendário.

10 DE SETEMBRO
No primeiro dia de abertura do ano lectivo, a FENPROF dirigirá uma saudação aos Professores, que sublinhará as condições em que o ano 2008/2009 se inicia.

10 DE SETEMBRO
Participação numa iniciativa da CGTP-IN, na qual se fará a entrega do parecer da FENPROF e dos Sindicatos relativamente à proposta do Governo para alteração do Código de Trabalho

15 DE SETEMBRO
Manifesto em Defesa da Escola Pública
 - realização de iniciativas nas  capitais de distrito e noutras cidades para recolha de assinaturas e distribuição de texto à população. Trata-se de uma iniciativa conjunta da FENPROF e da CGTP-IN, que já está em marcha, designadamente através da página electrónica http://www.escolapublica.com

19 DE SETEMBRO
Participação no Plenário Nacional da Administração Pública, envolvendo dirigentes e delegados sindicais de todo o País.

1 DE OUTUBRO
Participação dos professores e da FENPROF na Acção Nacional de Luta da CGTP-IN cuja forma e conteúdo será decidida região a região, perspectivando-se a realização de plenários, reuniões, contactos nas escolas e/ou concentrações. Esta acção será articulada com as Uniões de Sindicatos.

5 DE OUTUBRO
Grande envolvimento da FENPROF nas comemorações do Dia Mundial do Professor, que no plano internacional decorrerá com o lema  Sim, os Professores contam.

8 DE OUTUBRO
Apresentação pública das proposta da FENPROF sobre um modelo alternativo de Avaliação do Desempenho, a partir da qual será lançado o debate nas escolas. Esta proposta será discutida e construída com os professores, com vista à sua apresentação ao Ministério da Educação para negociação, nos termos consagrados através do Memorando de Entendimento, como realçou Mário Nogueira no encontro com os profissionais da comunicação social, realizado em Coimbra (5 de Setembro).

5 DE DEZEMBRO
Conferência Nacional de Quadros Sindicais: aprovação da Carta Reivindicativa dos Professores e Educadores e apresentação pública do Livro Negro da Educação. Aprovação da proposta de Avaliação do Desempenho, discutida previamente nas escolas.