O Primeiro-Ministro José Sócrates sabe muito bem que a FENPROF e os seus Sindicatos não defendem, nem alguma vez defenderam que o Ministério da Educação contratasse mais professores do que os necessários.

O que a FENPROF sustenta é que a boa eficácia pedagógica justifica a contratação de mais professores para as nossas escolas, nomeadamente professores de apoio para turmas e para alunos que revelem, mesmo temporariamente, problemas comportamentais e dificuldades na aprendizagem, para apoio adequado a crianças com necessidades educativas especiais.

O que a FENPROF defende são medidas de melhoria das condições de trabalho nas escolas e que promovam as boas aprendizagens dos alunos.

O que a FENPROF reivindica é o ataque a problemas estruturais como as baixas qualificações da população, o abandono e o insucesso escolares, combates para os quais o país tem os docentes de que necessita mas que o Governo teima em desperdiçar.

É, pois, um triste sinal dos tempos ver o Primeiro-Ministro do nosso país, nas suas declarações na Escola Sec. Pedro Nunes no dia 2 de Setembro, recorrer à mais baixa das sofísticas, que nos habituámos a ver nos debates políticos de menor qualidade: atacar não as ideias ou intenções dos adversários, mas sim as ideias ou intenções que se lhes atribuem exactamente para serem facilmente atacadas. Denunciar este sofisma, que não é apenas uma falácia, ensina-se no 11º ano de Filosofia. Custa ter que admitir que o Primeiro-Ministro português recorra a este tipo de retórica para iludir dois graves problemas: o da necessária melhoria do nosso ensino e o do indispensável combate ao desemprego que alastra entre os professores e educadores.

A FENPROF não pode deixar de condenar, ainda, a insensibilidade e irresponsabilidade sociais e o desrespeito pelos 40 mil professores e suas famílias que vivem momentos muito difíceis, bem diferentes da facilidade com que o Primeiro-Ministro os quis comentar.

O Secretariado Nacional