A ministra da Educação diz "não ser relevante" a participação de 100 mil professores na Marcha da Indignação, este sábado em Lisboa, considerando que o importante é "continuar a trabalhar para encontrar as melhores soluções" para os problemas do sector.

Em entrevista à SIC, horas depois da maior manifestação de sempre no sector, Maria de Lurdes Rodrigues, disse que bastaria um milhar de docentes ter saído à rua para o ministério perceber que existe descontentamento na classe.

"Compreendo muito bem as razões da manifestação", afirmou a ministra, admitindo que a tutela "está a pedir às escolas mais esforço e mais trabalho", tendo em conta o aumento do número de alunos, "sacrifícios" que recaem directamente sobre os professores.

Contudo, a governante garantiu que não se vai demitir ou suspender a avaliação de docentes ? reivindicações feitas esta tarde pelos manifestantes. "Vou continuar a trabalhar para encontrar as melhores soluções, tal como tenho feito e é o que vou continuar a fazer", declarou.

Pouco antes, numa entrevista gravada à RTP, Maria de Lurdes Rodrigues sublinhou que o seu afastamento do cargo ou o abandono das actuais políticas de educação seriam "soluções fáceis" para o Governo que a ninguém serviriam. "As soluções difíceis são as que nos obrigam a encontrar respostas para os problemas".

A governante garantiu ainda total disponibilidade para negociar com os parceiros. "Não é legítimo dizer que não há negociações por a ministra não estar presente. Estarei nas reuniões se isso for essa a exigência" dos sindicatos, concluiu.