Mais de 7000 de jovens concentraram-se esta tarde em Lisboa, junto ao Rossio, em protesto contra as políticas laborais do Governo, numa acção promovida pela Interjovem/CGTP e inserida no calendário de luta da CGTP até final de Maio.

Associações sindicais de Norte a Sul do país reuniram-se em frente ao Rossio, por volta das 15:00, marchando depois em direcção ao edifício da Assembleia da República, onde se realizou a concentração e posterior votação da resolução apresentada pela Interjovem/CGTP contra a precariedade e pela estabilização do emprego.

Durante a marcha, as palavras foram de contestação contra "o ataque generalizado aos direitos sociais e laborais, individuais e colectivos protagonizado pelo Governo do PS e pelo patronato".

Carvalho da Silva, secretário-geral da CGTP-IN, afirmou que a "grande presença dos jovens [na manifestação] é um sinal positivo da sua confiança em relação ao futuro" e que será mantida a luta para garantir a continuidade dos direitos conseguidos.

Os manifestantes expressaram o seu descontentamento com palavras de ordem contra o primeiro-ministro, o trabalho temporário, os despedimentos colectivos e as injustiças sociais, garantindo que "a luta continua" enquanto não se verificarem alterações nas políticas laborais e sociais do Governo.