Professores da ilha de São Miguel manifestaram-se favoráveis, por larga maioria, à adopção de um estatuto da carreira docente específico para os Açores, cujo processo negocial com o Governo Regional deverá ficar concluído até Março.

 

Num plenário sindical em Ponta Delgada, dos 501 votantes, 419 consideraram-se favoráveis ao estatuto regional, 64 rejeitaram a proposta do Governo açoriano, 26 votaram em branco e registaram-se, ainda, dois votos em branco.

 

O presidente do Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA) adiantou, no final do plenário, que o resultado do escrutínio "não significa uma adesão incondicional à proposta regional", uma vez que irão decorrer plenários idênticos nas restantes ilhas açorianas.

 

"Este é um primeiro plenário de um conjunto que vamos realizar em todo o arquipélago", afirmou Armando Dutra, acrescentando que só depois o sindicato vai apresentar a sua posição à tutela.

 

Para Armando Dutra, a questão das faltas e da avaliação contempladas na proposta de estatuto regional suscitam discordância por parte dos professores e merecem ser "melhor ponderadas".

 

"Estou confiante que ainda vamos introduzir mais algumas alteração no estatuto regional", frisou o sindicalista, alegando que "em democracia o diálogo é essencial, até porque nenhuma das partes tem toda a verdade do seu lado".

 

O novo estatuto da carreira docente nacional entrou em vigor sábado.

 

A divisão da carreira docente em duas categorias (professor e professor titular), com quotas estabelecidas para subir de escalão e aceder à segunda e mais elevada, é uma das principais mudanças introduzidas e que têm sido alvo de grande contestação por parte dos sindicatos do sector.

 

Na região, a proposta de estatuto mantém uma carreira única, sem diferenciações, possibilitando a progressão na carreira em condições de igualdade entre todos os docentes e não impõe quotas ou outros mecanismos administrativos que inviabilizam a progressão.

 

Na próxima quarta-feira o SPRA vai realizar um plenário idêntico ao de hoje com os professores da ilha de São Jorge.

 

Nos Açores leccionam cerca de 5.000 professores nos vários graus de ensino.

22-01-2007 - Lusa