Sem Título 

 

A Frente Comum da Administração Pública repudiou as declarações do Ministro da Economia, que avançou com a possibilidade de não haver aumentos salariais na Administração Pública em 2021.

 

Numa altura em que os funcionários públicos estão a ser fundamentais, até para lá das suas forças, para manter o país a funcionar e a responder à crise que enfrentamos, esta declaração vem mostrar a falta de respeito por estes trabalhadores e pelo seu esforço, agravados por mais de uma década a perder poder de compra.

 

Mais uma vez, os Sindicatos souberam das intenções do Governo pela Comunicação Social, demonstrando que o (tão usado nos discursos) diálogo com os trabalhadores não é para cumprir. Acresce a este facto a completa ausência de resposta da Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública às comunicações da Frente Comum – Ministra cuja atuação como Secretária de Estado no anterior Governo deixou má memória em todos os Funcionários Públicos, mas em particular nos Docentes!

 

 

"Nota de Imprensa

A Frente Comum não aceita que as tristes declarações do Ministro da Economia se concretizem!

 

 

Num quadro em que os trabalhadores da Administração Pública estão na linha da frente do combate à pandemia que se vive, consideramos absolutamente inaceitáveis as declarações do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, em que se refere a possibilidade de não haver aumentos de salários no próximo ano na Administração Pública.

 

Os trabalhadores da Administração Pública, que agora respondem “estamos presentes” e que estão na linha da frente, fazendo-o desde o primeiro momento, são os mesmos que perdem poder de compra desde 2009, e não aceitam que a reboque de uma pandemia se continue a desenvolver uma política de baixos salários, de desinvestimento nos serviços públicos e nos seus trabalhadores, política essa que deixou o País em situação mais frágil na resposta a este quadro.

 

O aumento dos salários e o investimento público é determinante no futuro do país e na recuperação económica que, necessariamente, terá que acontecer.
Mais uma vez, a Frente Comum lamenta o facto de conhecer as intenções do governo pela comunicação social, não tendo a Exma. Sra. Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública respondido ainda às nossas últimas comunicações.

 

A situação de pandemia não pode ser um pretexto para mais ataques aos trabalhadores! Sem serviços públicos de qualidade e sem direitos, não há futuro!

 

 

Lisboa, 30 de Março de 2020."